sexta-feira, fevereiro 23, 2024

Terroristas planejavam explodir um gasoduto durante a visita do presidente iraniano a uma das províncias

Presidente do Irã, Hassan Rouhani (Foto: Official President website/Handout via REUTERS)

Heba Ayyad*

As autoridades de segurança iranianas revelaram detalhes do desmantelamento do que disseram ser a “maior célula” com laços com países vizinhos e a ocupação israelense dentro do país durante as últimas duas décadas.

A Agência Fars disse que a célula planejava realizar operações de sabotagem em várias províncias iranianas. A agência citou uma fonte de segurança informada dizendo: “Os movimentos hostis tinham como objetivo formar a maior rede terrorista ativa no país nos últimos vinte anos, com o intuito de aumentar a violência e provocar a guerra urbana no Irã.”

Ele explicou que “os líderes dessas células estavam em países vizinhos e forneceram armas e equipamentos necessários dos mesmos países para seus agentes internos… A característica mais importante desses movimentos hostis é o desejo intenso de matar e aumentar a violência na sociedade iraniana”.

Ele acrescentou que as raízes do caso remontam ao ano passado, “quando começou a contra-revolução, com uma abordagem anti-religiosa, e depois se tornou ativa por meio das redes sociais, com dois clientes saindo para formar redes sociais para atos terroristas, em nome de Shaheen Zahmat Kish e Shaheen Law.”

O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, afirmou que 50 tentativas iranianas de realizar ataques contra alvos israelenses foram frustradas nos últimos anos.

Isso aconteceu em suas declarações à margem de sua primeira visita à capital do Azerbaijão, Baku, na qual indicou que a maioria das tentativas iranianas já havia alcançado um alto nível de maturidade e foi frustrada no último momento.

Galant disse: “O Irã está no centro das prioridades militares israelenses, e bilhões foram alocados no orçamento recente para lidar com o ‘terceiro círculo’, a fim de se preparar para qualquer maneira de impedir que Teerã obtenha uma arma nuclear.”

O “terceiro círculo” se refere aos países onde os agentes iranianos atuam e representa uma arena para as atividades e operações dos serviços de segurança da ocupação, especialmente Iraque, Iêmen, Síria e Líbano.

Galant acusou o Irã de financiar a resistência em Jenin e disseminar conhecimento e métodos de guerra para impedir o crescimento da capacidade israelense de controlar a região.

Ele afirmou que o Irã não abandonou a ideia de estabelecer uma capacidade militar na Síria, e as atividades do exército de ocupação para impedir a transferência de armas têm sido bem-sucedidas. A ocupação afirmou que o Mossad participou da frustração de um ataque contra sua embaixada no Azerbaijão e acrescentou: “O Irã não conseguiu alcançar a visão do comandante da Força Quds na Guarda Revolucionária Iraniana, Qassem Soleimani. Continuaremos a trabalhar o quanto for necessário para deter o Irã e o Hezbollah e quebrar as equações.”

Gantz afirmou que nos últimos anos o Irã tem liderado uma campanha terrorista global de escala sem precedentes, sob a direção do líder supremo iraniano, visando israelenses e judeus em todo o mundo.

Ele também disse: “O impedimento dos supostos ataques ocorreu graças ao sistema de segurança e à cooperação com muitos países”. Acrescentou que “essa batalha não para e tem como objetivo algo mais importante, que é impedir que armas nucleares caiam nas mãos irresponsáveis e perigosas do Irã.”

Na quarta-feira *26), o ministro das Relações Exteriores de Israel, Eli Cohen, acusou o Irã de estar por trás de uma tentativa fracassada de ataque à embaixada de Israel em Baku, utilizando dispositivos explosivos com o objetivo de matar pessoas.

Heba Ayyad é jornalista, escritora e analista de política internacional

Next Post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendados

Curta nossa Página